Um homem vai enfrentar ao Papa para violações na Igreja: “eu vou dizer a você o horror de ser abusada” | Upsocl

Un hombre encarará al Papa por violaciones en la Iglesia: “Le voy a contar el horror de ser abusado”

“[O sacerdote] Karadima me tocou, ele me beijou. Eu ainda não fui capaz de perdoar por não ter sido capaz de impedir isso”, disse Juan Carlos Cruz, que foi convidado pelo Papa, no Vaticano, para discutir o tema.

Vamos criar uma memória. Os anos 80 foram um período de vertiginosa para o Chile. A ditadura militar tinha sido plantada em um ar hostil, e as pessoas viviam com medo. Para muitos, especialmente os mais ricos, da classe média, ou aqueles com uma tradição de família associada à riqueza, a Igreja ainda era um bastião de inquestionável da sociedade. Ser parte de uma organização eclesiástica deu para o povo de uma certa estatura moral. O prestígio da família, era capaz de ser medido de acordo com a relação que seus membros tinham com Deus. No momento em que ele não foi o suficiente para ter dinheiro, o amor celestial ajudou ainda mais a ser visto com bons olhos por pares, superiores, e os militares governantes.

Sob esse clima foi que nós nos encontramos com Juan Carlos Cruz e Fernando Karadima. O primeiro, filho de uma família rica e tradicional de valores de Santiago, um menino cujo pai tinha acabado de morrer; o segundo, um sacerdote nascido em Talcahuano, uma aldeia ao sul do país, que recentemente havia servido de 50 anos e, por todas as contas, ele sempre foi acompanhado por João Barros, outro sacerdote de sua confiança instruído no catolicismo, os beirais de Karadima.

De acordo com o testemunho da Cruz, Karadima abusado dele de 8 anos. Beijou-o, tocou-o e deu-lhe a manipulação do discurso do guia espiritual. Tudo isso com Barros como uma testemunha silenciosa. Cruz foi de 15 anos e não sabia como se defender. Karadima não era um simples sacerdote. Ele era um homem poderoso. Vinculado à tradição do contexto social e político mais alto da sociedade chilena, amigo de uma longa lista de oficiais do exército, que trabalhou com Augusto Pinochet, um fervoroso apoiante do regime e, pior ainda, um homem que sabia como chegar perto de famílias inteiras, através do discurso de perdão e salvação. A única coisa que resta a fazer para Atravessar durante esse tempo, foi calar a boca e tentar salvaguardar a sua fé, com o máximo de força possível.

imagem21-04-2018-16-04-25Juan Carlos Cruz. (Foto: Sebastián Utreras)

 2014

A cruz tornou-se um reconhecido jornalista. O ano de 2014, da mão do prestígio editorial Debate, ele publicou seu livro “O fim da inocência”, onde ele detalhadas seus encontros violentos com o sacerdote (84 anos), que, depois de várias reclamações, e uma investigação por parte da congregação da igreja, foi suspenso de suas atividades, para a vida em 2010. No entanto, não há pena de prisão. O homem que abusou sexualmente de menores fazendo uso de sua autoridade eclesiástica, não tinha contas a prestar ao Estado. Tudo foi feito com absoluto critério das igrejas.

imagem21-04-2018-16-04-25Karadima de ser preso. (Foto: AP)

Seu texto posicionado Cruz como uma das vítimas nas proximidades e abrir o sacerdote. Ao lado dele, o médico James Hamilton, e o de doutor em Filosofia José Andrés Murillo também levantada como as faces visíveis na luta contra a pedofilia na Igreja.

2015

Com Karadima demitido pelo Estado, mas com o olho sobre o abuso de crianças por parte da casta sacerdotal, parecia ser a de que, para 2015, nem tudo estava perdido no Chile. Além disso, internacionalmente havia também algo de esperançoso: o sumo pontífice era um bom homem argentino, que parecia não estar interessado na poderosa hierarquia movimento separatista da Igreja Católica. Ele, um latino-americano fã do San Lorenzo, um conhecedor da pobreza e a enorme ferida das ditaduras e a precariedade do sul do continente, parecia chegar para trazer a ordem e soluções.

imagem21-04-2018-16-04-25VPDS

Mas a bagunça foi logo re-tomado as capelas e a notícia quando, em uma pequena cidade chamada de Osorno, no sul de Santiago, nomeado pelo bispo Juan Barros, em Madrid, como o bispo da cidade. O mesmo homem que tinha sido associados com Karadima como um testemunho e um acessório após o fato de todos os seus crimes de abuso em uma série de relatórios, textos e declarações face-a-face, mas continuou a subir na hierarquia da igreja. E, pior ainda, a decisão saiu da mesma, o Papa Francisco.

Apesar de ser 950 quilômetros ao sul da capital, os manifestantes chegaram a seu compromisso. Eles, carregando bandeiras e vestindo preto, entrou na catedral de Osorno para gritar contra ele. Quando chegou a sua vez de declarar sobre os fatos, apenas se refere religiosa tópicos:

“Lamento que na santa missa ocorreram essas manifestações (…) eu não sou um amigo de Karadima, sempre respeitado a sua convicção (…) dói-Me a dor das vítimas, oro por eles para que eles carregam essa dor até hoje.”

imagem21-04-2018-16-04-26Barros no dia de sua nomeação como Bispo (Foto: Agência UNO)

Na parte de cardeais e bispos, condenou o protesto dentro do templo. De acordo com eles, esse tipo de manifestações agressivas e não foram de forma adequada para mostrar o descontentamento. Juan Carlos Cruz, James Hamilton e Jose Andres Murillo, emitiu uma triste declaração sobre a decisão do Papa, de onde voltaram para a questão enormemente o agora bispo Barros por sua proximidade com Karadima. De acordo com o seu texto:

“Com a dor nós temos que resignar-se a esta decisão do papa Francisco. Uma dor ou um medo de que, bem o sabemos. Como sobreviventes de abuso Karadima, e a cumplicidade do bispo Barros, estamos acostumados com os golpes que recebemos de a hierarquia do chileno, mas nunca diretamente do Santo Padre”.

Mas os fiéis, os chilenos não foram autorizados a se esqueça de que o caso lá. A 6 de maio do mesmo ano, um grupo de crentes se aproximou do papa, no Vaticano. Ele respondeu às suas perguntas em pessoa. Contudo, suas declarações só causou mais sofrimento e questionamento na comunidade católica, no chile. Com o tom mais calmo que lhe caracteriza, Francisco pediu às pessoas que eu falei que iria trazer uma mensagem para os paroquianos chileno:

“Pensar com a sua cabeça e não permitir-se a alcançar os narizes para todos os canhotos, que são aqueles que construíram a coisa (…) eu sou o primeiro a punir e julgar alguém que tem acusações desse tipo, mas, neste caso, nem um ensaio, ao contrário, de coração eu digo a você. Osorno sofre, sim, mas o tolo, porque ela não abre seu coração para o que Deus diz, e é da esquerda para levar o bastão que diz que todas as pessoas”.

ia’ allowfullscreen=”>

 

2017

Silenciosa, não-conformidade e inteligente, os três homens abusados por Karadima tinha gerado uma cruz. Para o início do ano passado, garantiu que não tinham de se contentar com o perdão e a promessa da salvação. Agora eles queriam demissões, mudanças radicais. Ver a igreja ser reformada para se tornar, mais uma vez, em um lugar seguro. Cruz, Hamilton, e Murillo não conter a sobreseímientos ou crimes, como pode ser prescrito. Eles criaram uma fundação para denunciar os agressores e proteger as crianças vítimas de abuso.

imagem21-04-2018-16-04-26José Andrés, Murillo (Foto: Diário Do Que Acontece)

Durante a visita ao Chile do Papa, em 2017, se reuniu com representantes de nove países para organizar uma associação internacional que visibilizara abusos, e obriga a igreja a tomar as medidas adequadas. No entanto, o hierarca da Igreja não concordou em reunir-se com os afetados. Quando chegaram a um ambiente local para perguntar, novamente, pelo bispo Barros, o sumo pontífice reiterou suas declarações a partir de 2015. Desta vez, ele afirmou:

“O dia que eu trago em um único teste, eu vou falar sobre. Não há uma única prova contra ele. Tudo isso é calúnia”.

Em resposta a isso, os três afetado insistiu em suas declarações contra Barros. De acordo com as palavras da Cruz:

“Eu não tenho dinheiro. Barros foi de 37 anos ao lado de Karadima. Eu estava de pé ao meu lado quando eu estava abusando. Eu me considero uma pessoa inteligente, com um posto importante em uma multinacional. Eu tenho sido capaz para me educar, viajei por todo o mundo, e eu estou encarregado de 130 países. E eu ainda me pergunto, como foi possível para me deixar com esse homem, eu fiz o que eu fiz? Custos perdonármelo”.

2018

O controverso papal declarações sobre o caso mais emblemático da igreja no chile nas últimas décadas veio para Boston. Lá, o cardeal Sean O’malley, encarregado de liderar a comissão antipederastia, criticou com veemência, uma atitude de nunca visto antes por um sacerdote de categoria inferior. O’malley disse que era incompreensível que uma postura de “se eu não posso provar minhas afirmações, então você não é credível”. De acordo com ele, esta abandonada, sem qualquer contemplação para as pessoas que sofreram violações de sua dignidade humana, e relegaban os sobreviventes para o exílio desacreditado. No entanto, novamente apelando para a sincera intenção do Papa, e ele enfatizou a necessidade de acabar com a pedofilia na Igreja.

imagem21-04-2018-16-04-26EFE

Feliz porque a notícia foi bem recebida, mas ainda sobrecarregados com as declarações do Santo Padre, os três emblemas da luta dos chilenos continuaram a ser dispostos para gerar uma mudança, e é fundamental a maneira que a Igreja tinha para resolver o problema. Depois disso, ele produziu o testemunho de O’malley, Cruz twittou:

“Como se tivesse sido capaz de dar uma selfie enquanto Karadima eu estava com João Barros, estando ao lado assistindo tudo.”

Além disso, em entrevistas posteriores, o jornalista disse que eles não ganham nada com essas acusações supostamente falso. Além de abrir um enorme ferida que eles acreditavam enterrado há muitos anos atrás, agora ele só prejudicar sua própria imagem como profissional:

“Por três pessoas como nós, com a vida resolvida, Tiago e José Andrés, com as crianças, nós estávamos indo para inventar uma história tão bem, para nos expor assim na televisão? As pessoas que compreendem e acreditam em nós”.

imagem21-04-2018-16-04-26James Hamilton com sua esposa. (Foto: Alejandra Matus)

“O arrependimento é o reino dos céus”

Passou apenas alguns meses para que, menos de uma semana atrás, o Papa Francisco enviou uma carta aos bispos do chile. Nele, ela contou sua “vergonha” e “hurt” pelas conclusões precipitadas que ele teria desenhado sobre a situação do país e o abuso de crianças. Em sua carta, afirmou:

“O que me toca, eu reconheço e quero passá-lo fielmente, que eu tenho cometido erros graves no processo de avaliação e percepção da situação, especialmente devido à falta de informações precisas e equilibradas. A partir de agora, peço desculpas a todos aqueles a quem ofendi e espero que eu possa fazer, pessoalmente, nas próximas semanas, em reuniões com representantes dos entrevistados”.

Novamente persistirem a possibilidade de essas instruções. Barros ainda está negando, mas com o controle superior da Igreja Católica sobre o lado das vítimas, é visto como uma realidade que cada vez mais é possível chegar a uma mudança dentro da instituição. Apesar do fato de que Francisco não estava referindo-se a qualquer caso particular, deu a total veracidade dos relatórios, e arrepentió é posto em dúvida.

Em sua carta, além disso, apontou que a verdade foi escondida quando ele tentou fazer a sua própria avaliação dos fatos. Apesar do fato de que este não tem valor legal (ou tem feito demissões), ainda está falando sobre a possível renúncia do bispo Barros.

imagem21-04-2018-16-04-26Agência UM

Mas você tem que mudou totalmente a sua posição com relação a investigações de abusos (num total de 64 restimonios e 2.300 páginas) não é tudo o que o Papa fez. Agora, em apenas três dias, convidou-os a Cruz, Hamilton, & Murillo, em Santa Marta. No dia 28 de abril, os três passar um fim de semana com ele, e falar sobre os detalhes do caso específico de cada um, e o que é que eles esperam que a Igreja seja capaz de melhorar a parar nesses casos, e pode agir no mesmo momento. Agora,a Cruz está confiante de que o líder da Igreja de levar as etapas e renovaram o catolicismo.

Em uma entrevista com o espanhol O País, Cruz disse que está feliz por ser capaz de ir falar pessoalmente com ele para o Vaticano. Além disso, ele ressaltou que o Papa lhes permitia colocar as condições, e garante totalmente a confiança na sinceridade das suas intenções. Ele também afirma estar profundamente feliz que o relatório mostrou que o Papa, a verdade dos fatos. Para Cruz, a vitória não é algo que você ou seus colegas com quem ele lutou, mas uma união de testemunho e a coragem de uma longa lista de vítimas em todo o mundo que não têm a oportunidade de ser ouvida.

No entanto, por outro lado, há também um monte de nervosismo nas palavras do jornalista. Chamado muito a atenção de que o homem mais poderoso de que a Igreja não saber o que está acontecendo dentro de sua boca. Culpar os bispos malicioso e other funcionários corruptos do desinformarlo, mas destaca o fato de que o pontífice convidou-o antes para eles, as vítimas, que para os bispos. Cruz acredita que ele virá “um grande terremoto na igreja como um chileno e um número de bispos vão deixar.” Também disse que vai contar tudo. Agora, ela está pensando sobre as palavras que saem de sua boca em frente de um homem que personifica a fé:

“Eu vou dizer a você o horror que vivi com o abuso e, em seguida, levou-o para fora da Igreja, no chile. Para mim eu não tenho dinheiro, eu vivia, Barros estava ao meu lado quando Karadima me tocou, ele me beijou. Eu ainda não fui capaz de perdoar a mim mesmo por não ter sido capaz de me impedir de abuso. Eu tinha 15 anos e eu tinha perdido meu pai. Mas eu ainda sou um crente.”

imagem21-04-2018-16-04-27EFE

Finalmente, Cruz disse que ficou impressionado com o que era usado para ser na Igreja só para eles para fechar as portas e para hesite em seu testemunho. Ele sabe que algo de bom pode sair disso. A convite do Papa está uma oportunidade para reparar a fé que os homens têm poluído.

Atualmente, apenas 37% do povo chileno é um devoto da fé católica. Os números caíram acentuadamente após o caso Karadima foi tornada pública. Naquela época, seu backup foi de 68%. Hoje ele é identificado com este país como a menos católica de toda a américa latina.