A agressão de Bairros “Zidane”, que foi capaz de deixar a Colômbia, com um jogador a menos | Upsocl

La agresión de Barrios “a lo Zidane” que pudo dejar a Colombia con un jugador menos

Nem o VAR confirmou a expulsão do café, que só viu amarelo, por quê?

A queda dramática da Colômbia, na segunda rodada, na disputa de pênaltis, poderia ser definida antes, e pior. Isto acontece porque no minuto 38′ do encontro, o volante Wilmar Barrios cometido uma ação condenável contra Henderson, que bem poderia ter custado a expulsão.

Enquanto a Inglaterra estava se preparando para levar um pontapé-livre, os meio-campistas começaram a lutar na área, e o inglês tomou o café. O jogador do Boca Juniors, em resposta, coloque sua cabeça sobre o peito e, em seguida, subiu, golpeándole no queixo.

— Carla Bernucci (@gbernucci)

Sim, nós também lembre-se de Zidane, mantendo as proporções, isso é certo. No entanto, apesar dessa semelhança, e a existência de VAR neste campeonato, o rali não deixar a Colômbia, com um a menos. Após o jogador do Liverpool caiu morto -exagerando – pelo contato, o juiz Mark Geiger recebeu a mensagem do vídeo arbitragem, enquanto os sul-americanos tinham sido ansioso.

Mas, apesar do fato de que o assalto foi, com uma simulação ou não pelos britânicos, Distritos trouxe apenas um cartão amarelo. Por quê?

imagem04-07-2018-16-07-23Grupo De Notícias De Jornal

Apesar do fato de que a coisa certa teria sido vermelho, entende-se que a terna arbitral viu só que o colombiano se inclinou sua cabeça contra o inglês, que, além disso, tinha tomado braços. Assim, constitui -se de acordo com o regulamento- só um amarelo. Além disso, se não é uma atitude anti-desportiva, entende-se que Henderson fingiu, e deve ser punido também.

Mesmo assim, após o café, levantou a cabeça e atacou seu adversário, o que, obviamente, merecia o cartão vermelho. O que deveria ter revisto por si mesmo, a repetição do juiz? A esta altura, com a Inglaterra em trimestres, o debate torna-se estéril.