Tarsila do amaral – a alma e espírito do movimento antropofágico no Brasil

As pinturas da artista Brasileira Tarsila do Amaral (1886-1973), simplesmente conhecido como Tarsila—e a teoria da Antropofagia, ou a filosofia de “antropofagia cultural”, introduzindo em 1928 por Tarsila do primeiro marido, o poeta Brasileiro Oswald de Andrade (1890-1954), foram para mim um grande mistério e uma obsessão por anos, confira abaixo o resumo sobre Tarila do Amaral que é protagonizada na história da arte moderna como uma das principais mentes do movimento antropofágico.

Nascida no estado de São Paulo, para uma família próspera, Tarsila passou vários de seus anos de formação no início da década de 1920 em Paris, onde estudou arte, e conheceu Picasso, Brancusi, Léger, e muitos outros proeminentes artistas e escritores do dia entre os quais também possuem carreiras proeminentes, nem que reconhecidos somente depois de mortos. Entre eles, você pode conferir várias das histórias de vida no site de Biografias. 

“Eu sou profundamente Brasileiro”, proclamou em um ensaio inicial, ” e estudará o gosto e a arte de nossos caipiras [referindo-se ao povo rural do centro do Brasil]. No interior, espero aprender com aqueles que não foram corrompidos pelas Academias.”

Ela desenvolveu um estilo de pintura refinado, baseado em parte no modernismo europeu, mas profundamente inspirado pela cultura vernacular Brasileira, folclore, artesanato e arte popular. Por um tempo, ela contratou o designer Pierre Legrain para criar quadros Art Déco elaborados para suas pinturas. Ao longo dos anos, quase todos eles foram eventualmente removidos, e ou perdidos ou destruídos, exceto por um exemplo esplêndido que Frame uma Cuca (1924). Um dos destaques da exposição atual, a pintura apresenta uma cena de selva com animais e insetos altamente estilizados.

Em 1926, Tarsila casou-se com o proeminente poeta e filósofo Oswald de Andrade. Eles viajaram juntos por longos períodos de tempo em todo o Brasil, e no exterior, e em dois anos desenvolveram o conceito de Antropofagía ou Antropofagia. O conceito foi inspirado pela Tupi—uma vez canibais tribo da floresta tropical Brasileira—e centra-se na noção de antropofagia cultural em que os Brasileiros, ou os latino-Americanos, poderia devorar progressivo Europeu de conceitos culturais, ingeri-los através de um filtro local, e produzir algo que seria totalmente novo e vibrante, e específico para a cultura latino-Americana.

Tarsila teve algum sucesso como artista desde meados da década de 1920 até o início dos anos 30, quando ela começou a adotar um estilo de pintura quase-Socialista-realista centrado em temas socialistas. Seu início de carreira culminou em uma grande exposição solo no Museu de Arte ocidental em Moscou, em 1931. Após seu retorno ao Brasil da URSS, oficiais recém-instalados do governo de direita prenderam Tarsila, e a prenderam por um tempo por causa de seus laços com a União Soviética e suas simpatias de esquerda.

Seu trabalho foi visto menos frequentemente no Brasil na década de 1940, mas na década de 1960, ela foi redescoberta pelos artistas de vanguarda do movimento revolucionário Tropicália. Os artistas, escritores e músicos associados com o grupo energético olhou para a Antropofagia, a experiência de Tarsila e de Andrade como um meio para absorver e processar a política internacional e cultural revoltas dos anos 1960. Desde então, Tarsila foi elevada para um próximo status mítico em casa, e o seu trabalho, começando com esta exposição e que acompanha o livro, agora vai finalmente receber a devida atenção no exterior. Recentemente, eu me juntei a D’Alessandro E Pérez-Oramas em um café no Museu Metropolitano de arte para discutir os fenômenos conhecidos como Társila do Amaral, e Antropofagia.